terça-feira, 10 de outubro de 2017

Poemas para e-book - participe gratuitamente

O e-book "101 poemas para Carlos Zemek" com os trabalhos do artista plástico e especialista em Arte Digital CARLOS ZEMEK e poemas sobre suas obras, será publicado no mês de dezembro/2017.


PROJETO POETIZAR O MUNDO

CONVITE AOS POETAS:

Os poemas devem ser inspirados em obras desse artista (seja pintura ou arte digital). 
As obras estão nos blogues:

Trabalhos em Arte Digital visitar: http://cazearte.blogspot.com.br/

A publicação dos poemas no e-book será gratuita.

Cada poeta pode enviar até 2 poemas.

Enviar mini currículo (até 50 palavras).

O material tem que ser encaminhado até 31 de outubro/2017.

ENVIAR OS POEMAS PARA E-MAIL: isabelfurini@hotmail.com 

Alguns trabalhos de Carlos Zemek - Mais trabalhos do artista no blog: http://cazemek.blogspot.com.br/





















quinta-feira, 24 de agosto de 2017

Projeto Poetizar o Mundo - Medalhas em 2017

O Projeto Poetizar o Mundo entregou Medalhas Mérito Cultural em 2017 para os poetas Geraldo Magela, Osmarosman Aedo e Silvana Mello, no evento Cutucando a Inspiração do mês de agosto/2017.


Silvana Mello, Isabel Furini e Osmarosman Aedo
Foto de Decio Romano

Geraldo Magela e Isabel Furini na foto de Decio Romano


No mês de Setembro o Projeto Poetizar o Mundo homenageará com medalhas comemorativas duas personalidades que trabalham em prol da cultura: o radialista Wasyl Stuparyk e o jornalista Mhario Lincoln. As Medalhas e diplomas serão entregues no Cutucando a Inspiração do mês de setembro. O evento é organizado pelo Geraldo Magela.

Wasyl Stuparyk na foto de Arriete Rangel de Abreu

Jornalista Mhario Lincoln

sábado, 19 de novembro de 2016

Poemas: Homenagem ao Dia da Palavra - 23 de novembro

23 de Noviembre: DIA INTERNACIONAL DE LA PALABRA del Museo de la Palabra Fundación César Egido Serrano.

Homenagem ao Dia Internacional da Palavra do Museu da Palavra.
Para festejar o "Dia Internacional de la Palabra" , Isabel Furini e Carlos Zemek criadores do Projeto Poetizar o Mundo , convidam os poetas a participar da Homenagem à PALAVRA COMO VÍNCULO DA HUMANIDADE.
Todos os poemas com esse tema recebidos até 22 de novembro de 2016, serão publicados neste blog. (Poemas com mensagens políticas, racistas, ofendendo crenças ou com palavrões não serão publicados).
Todos os participantes receberão Certificado pelo e-mail.
Quadro da artista plástica argentina CLAUDIA AGUSTÍ


Palavras 

Sílabas, jogadas a esmo
Formam palavras soltas ao vento
Mas quando se formam na caixa do peito
Vem igual a um vulcão, sendo palavras
De carinho, amor e compreensão.
Posso, escrevê-las sem rimas
Em cima da mesa, até mesmo no chão.
Mas sei, que são palavras lindas vindas
Do meu coração.

Amaury Nogueira
Curitiba - Paraná - Brasil
_____________________________________


Palabra
Palabra bien situada
Se calienta el alma y da vida
Cuida la tristeza y la angustia.
Palabra hace que suspires
Sentirse bella y potente
Con el brillo y la fascinación.
Palabra hace del mundo un paraíso
Utopía y realidad
Hace que el hombre cree
esplendor y misterio de la vida.

Maria Antonieta Gonzaga Teixeira.
Castro-Paraná-Brasil.


_______________________________________________


PARA EMBRIAGAR

Entrei no bar, decidido
a saciar meus vícios:
pedi a cerveja
e pus sobre a mesa
um livro de Vinícius.


(Poema classificado entre os 100 melhores no IV TOC 140 – Fliporto.)


Edweine Loureiro (Japão)

_______________________________________________


PALAVRAS INDIZÍVEIS

Minha palavra sem contexto  
chora baixinho no meu porão.
Carrego minha dor no texto
num poema que não seduz,
uso algumas rimas inúteis
e “palavras indizíveis”.

Eu vivo- pulso- explodo
( malabarista e insustentável )
Sou peito aberto -  Sou poeta!

Madalena Ferrante Pizzatto
Curitiba -PR - Brasil
____________________________________________________


Palavras ao mundo

A palavra em rima
É poema.
A palavra em memória,
É história.
A palavra em ternura, com afeição,
É amor, é paixão.
A palavra em solidariedade
É caridade.
Feliz aquele que faz da palavra
Seu meio de comunicar-se com o mundo.

Neyd Montingelli
Curitiba-  PR - Brasil

______________________________________________________

Fato novo

Cada verso é um fato novo:
Quebra a rotina e encanta;
Às vezes, os males suplanta
E confere confiança ao povo.
Este, devidamente ajuizado,
Se alegra por ser alfabetizado.

Allan Caetano Zanetti

__________________________________________________________

SILÊNCIO É OURO

na quietude
reside sabedoria
palavras vomitadas
no auge da euforia
trazem consequências

a melhor atitude
é a língua refrear
agir com inteligência
com cuidado observar
analisar divergências
e só depois opinar

Elciana Goedert (Ciça)
Curitiba - Paraná


________________________________________________________

Palavras bem ditas

Entre os povos é falada
é cantada ou escrita,
abençoa amaldiçoa
unindo ou desunindo
as pessoas.
É motivo de alegria
ou de tristezas
dependendo de como
são ditas.
O maior vínculo entre a
humanidade são as
“Palavras” bem ditas.

Noeli Tarachuka
Curitiba-PR- Brasil
21/11/2016


___________________________________________________________


AMOR EM PALAVRAS


A quem de tanto amor se deu,
Com tal encanto,
Que se acendeu como chama
E para o meu espanto foi saudade,
E a ansiedade em ti  a flor crescida
Foi brotando em cada palavra
Possuída de  pranto,
Consumida no manto poético.
Restabeleceu-se à aurora florida
Quando as palavras resplandeceram
Diante da minha tristeza,

E o orvalho sem orgulho
Deu-se à presteza de um mergulho
Ascendeu-lhe  o brilho na alma,
Por um olhar já corrompido...

johnmaker
Alfredo Vasconcelos - Minas Gerais – Brasil


________________________________________________________


BANAL

Nenhuma palavra é banal!
Tem força, tem energia, tem impulso.
Banal é quem a usa mal.
Perigosa é a palavra injusta,
desperdiçada, leviana, sem cor,
vazia, sem afeto, sem amor,
que fere como seta fervente, mortal.
Banal é quem a usa mal.
Pedra aguçada, agressiva,
ou pérola preciosa, que anima,
produz conforto e dá alegria!
Não esqueça a cada dia:
- Nenhuma palavra é banal...!

Maria da Glória Colucci
Curitiba-PR- Brasil
________________________________________________________


Palavra 

Palavra leve,
A que leva a dor da alma partida.
Palavra breve
Triste ou alegre na hora da despedida.
Palavra amiga,
A do vocabulário cotidiano, lés-a-lés.
Palavra espiga
A que floresce ainda que na aridez.

Palavra- mãe,
A geratriz da melodia que soou.
Palavra- passe
O segredo de quem a criou.
Palavra-chave,
A do poeta que o poema revelou.

Octaviano Joba
Quelimane - Moçambique

____________________________________________________


Vínculo da humanidade.

Palavra é o belo vínculo da humanidade
Mal manuseada leva a conflito e guerra.
Com adequado uso o peito do ser invade
Semeia a alegria e impregna de paz a terra.
É o medicamento que a ignorância cura.
Palavra é instrumento da humana inteligência
É ela que permite a difusão da cultura
A troca de saber e a expansão da ciência.
Palavra é alimento vital ao corpo e à alma.
No início era o Verbo e o Verbo era o Amor
Que relaxa o corpo e a mente do ser acalma.
E inspira o poeta para um verso compor
Prosar a poesia e entoar doce canto
Palavra  minha querida, você é o meu encanto.

Paulo Roberto de Jesus
Curitiba - PR - Brasil
__________________________________________________


MANDALA DE PALAVRAS

De manhãzinha
Na tela em branco
As tintas deslizam,
Pincelando imagens:
Palavras de tintas,
Repletas de emoção e vida.
No muro da escola
A palavra Paz, ainda, é um sonho...
Quando levadas pelo vento
As palavras movem moinhos
E sinos- de- vento.
À tardinha,
Na primavera as palavras de amor
Passeiam nas flores e juntas
Desenham mandadas...

Van Zimerman
Curitiba-PR (Brasil)
__________________________________________________

Palavras 

Palavras são pura poesia
Quando belas
O olhar encanta
Quando extraordinárias
Possuem uma beleza magnânima
Palavras de carinho se expressam na doçura do tratar
E podem revelar
a mais linda forma de amar...

Juliana Oliveira Nascimento
___________________________________________________


LEMBRANÇAS

No entardecer da Primavera
As mais belas palavras, a ti dediquei.
Foram estrofes, versos, poemas incompletos
Emoções esquecidas nos papéis de cartas amarelados pelo tempo
Se pudesse dizer-te tudo o que sinto,
palavras faltariam-me no momento.

Ione Perez
Curitiba- PR- Brasil

_______________________________________________________



Dia da Poesia

Queria que hoje fosse o o Dia da Poesia!
Um dia que poderia se chamar Clarice.
Também poderia ser conhecido como Quintana.
Ou, certamente, Manoel de Barros.
Imagine as pessoas, ao invés de dizer "bom dia",
desejarem um "bom Drummond" umas às outras.
Que dia seria este!
Seria o dia em que todos se reconheceriam
por uma poética cultura.
Que terra seria esta!
Ao final deste dia, a noite deitaria
com a certeza de muito Sol no dia seguinte.
E nos outros, também.

Haroldo Barbosa Filho
São José dos Campos/ São Paulo
__________________________________________________


PALAVRAS BEM-DITAS

Palavra dita de forma errada,
Machuca tal qual espinho...
Não tem jeito, depois de lançada,
Na mente soa qual burburinho.

Chega vestida de bem-querer
E carrega uma conotação...
É dito: não foi isso que quis dizer!
Aí se propagou a confusão.

Bem dita, fica cravada,
E de forma sutil, ela eterniza
Quando o amor dela se apropria,
Tudo ao redor, se faz poesia.

Mas existem palavras,
Que não precisam ser ditas
Para serem entendidas...
Basta um gesto, um olhar e mais nada!

Rita Delamari
Curitiba- PR - Brasil

___________________________________________________

PALAVRA

Palavra é língua viva
Renovando se diariamente
Por isso tem poder
Pode ferir mais que um ato
Ou apaziguar um coração
Dependendo do momento
Do lugar
E da intenção.

Izabel Rodrigues Guandalini
Americana - São Paulo - Brasil
____________________________________________________




Palavras

Palavras soltas sem querer,
Palavras ditas com prazer,
Palavras que magoam,
Palavras  que voam.

Palavras que mudam o mundo,
Que alteram tudo num segundo,
Palavras duma vida,
Ditas em despedida.

Palavras soltas pelo vento,
Levadas em pensamento,
Palavras recalcadas,
omitidas ou desprezadas.

Palavras e mais palavras,
Benditas ou amaldiçoadas.

Isa Paes
Viseu,  Portugal

___________________________________________________


LÍNGUA DE BOI COM MOLHO DE TOMATE 

contam que na Grécia antiga
um rei muito sorrateiro
pediu para seu cozinheiro
um alimento capaz
de melhorar o mundo inteiro

e o cozinheiro serviu
língua com molho de tomate

o rei sentiu um alicate
mordendo a sua vaidade
e tentando um desempate
pediu um alimento hostil
para representar a crueldade

e cozinheiro serviu
língua com molho de tomate

a esposa do rei falou:
a palavra pode expressar
a bondade ou a maldade.

(Poema baseado em uma fábula de Esopo)
Isabel Furini
Curitiba/PR - Brasil (residência)
Buenos Aires - Argentina (local de nascimento)


_________________________________________________


A PALAVRA

Seja escrita ou falada, seja rimada ou cantada,
a palavra é milagrosa.
Tão milagrosa que a gente a manipula e a sente
como arma poderosa.

Ela é desprezo e amor, estrume, pólen e flor,
estrela, lama e chão;
pacifismo, violência, pornografia, inocência,
praga e também oração.

É perfídia, honradez, abnegação, mesquinhez,
raiva, beijo e ciúme;
também é água da fonte, maré, abismo e ponte,
degelo, paixão e lume.

Por vezes é alimento, é sol, chuva, fermento,
que sustenta e aduba;
por outras é sofrimento, luxúria, vício, tormento
e açoite que derruba.

Com ela o mundo se espanta por ser satânica e santa,
bálsamo e droga infecta;
guilhotina e perdão, liberdade e prisão,
vómito de boca abjecta.

Pode ser batalha ou trégua, conforme a bitola e régua,
do espelho da consciência;
também é rosa e espinho, cardo, jasmim e carinho,
escravidão, independência.

Ela é freira, meretriz, pântano, pomar, raiz,
pureza e poluição;
é profana e sagrada, afago e chicotada,
desavença e comunhão.

Mas para mim é um fogo, e um mar onde me afogo,
eternidade e momento;
êxtase, estupefacção, poema, contemplação,
bailado do pensamento.

E para todo o Poeta
a palavra é a dilecta, eterna amante fatal!
E o Poeta quando parte, só deixa como estandarte
a sua amante imortal !

Carmo Vasconcelos, IWA
Lisboa/Portugal

________________________________________________________


A pá lavra a palavra

Uma pá lavra…
Várias pás lavram o chão;
Preparam-no para a semente
Transformar-se em botão.
Uma palavra lavra…
Várias palavras lavram
O campo da imaginação;
Preparam-no para a semente
Da significação.
Palavras são lavradas
Como registro da decisão,
De idéias, de planos… em atas;
Atas que atam e desatam
No calor da discussão.
A pá lavra…
A palavra lavra e é lavrada,
Ata, desata e é atada.
E a vida?

Precisa da pá do lavrador;
Do palavreado do orador;
Do fazer do fazedor;
Do conhecer do conhecedor;
Do não saber do não sabedor;
Do ser humano;
De compartilhar o amor;
E da pá que lavra
A lavoura de palavras,
Na qual busco elementos
Quando não os encontro
Para traduzir minha emoção e
Minha dor.
Diante dela suplico:
– Me dê a palavra,
Por favor!

Laura Monte Serrat Barbosa
Curitiba -PR- Brasil

Quadro de Claudia Agustí

sexta-feira, 18 de novembro de 2016

Homenagem poética ao Dia Internacional da Palavra - Participe

Homenagem ao Dia Internacional da Palavra do Museu da Palavra.
DIA INTERNACIONAL DE LA PALABRA - 
23 De Novembro.
Para festejar o "Dia Internacional de la Palabra" del Museo de la Palabra Fundación César Egido Serrano, Isabel Furini e Carlos Zemek criadores do Projeto Poetizar o Mundo , convidam os poetas a participar da Homenagem à PALAVRA COMO VÍNCULO DA HUMANIDADE.

O poema poderá ser em língua portuguesa ou espanhola, máximo de 15 linhas. O POEMA DEVERÁ SER ENVIADO ATÉ 22 DE NOVEMBRO, escrito diretamente no corpo do e-mail, sem arquivos, para o e-mail: isabelfurini@hotmail.com

Os poemas serão publicados no blog Poetizar o Mundo. http://poetizaromundo.blogspot.com.br/
Inscrição gratuita.
TODOS OS PARTICIPANTES RECEBERÃO CERTIFICADO DE PARTICIPAÇÃO pelo e-mail.

segunda-feira, 28 de março de 2016

Luiz Fernando Abreu recebe troféu

O poeta Luiz Fernando Abreu, ganhador do 11º Concurso Internacional Poetizar o Mundo recebeu o troféu correspondente ao primeiro lugar.


Poeta Luiz Fernando Abreu

TE AMO MAIS DO QUE A MIM MESMO

Te amo arte com amor bem puro.
Jurei, juro e morrerei jurando.
Se pra pintar-te for  a minha morte,
Pintarei a sorte por morrer te amando!

Luiz Fernando Abreu Araújo de Jacarepaguá/RJ

CURRÍCULO: Luiz Fernando é mestre em Educação, pedagogo e professor de Sociologia, Filosofia e Biologia das redes pública e privada do Rio de Janeiro. Tem 13 livros publicados, nos gêneros infanto-juvenil, juvenil e adulto, adotados em diversas escolas do país. Sua obra pode ser conhecida através do site: luizfernandoabreu.com.br

segunda-feira, 30 de novembro de 2015

RESULTADO 11º CONCURSO POETIZAR O MUNDO

INFORMAMOS que o RESULTADO do 11º Concurso  Internacional Poetizar o Mundo 

Foram inscritos 292 poemas:

Os jurados Arriete Rangel de Abreu, Marli Terezinha Andrucho e Jocelino Freitas realizaram o trabalho de leitura, análise e seleção.





_____________________________________________________________



1º LUGAR

TE AMO MAIS DO QUE A MIM MESMO

Te amo arte com amor bem puro.
Jurei, juro e morrerei jurando.
Se pra pintar-te for  a minha morte,
Pintarei a sorte por morrer te amando!

Luiz Fernando Abreu Araújo de Jacarepaguá/RJ

CURRÍCULO: Luiz Fernando é mestre em Educação, pedagogo e professor de Sociologia, Filosofia e Biologia das redes pública e privada do Rio de Janeiro. Tem 13 livros publicados, nos gêneros infanto-juvenil, juvenil e adulto, adotados em diversas escolas do país. Sua obra pode ser conhecida através do site: luizfernandoabreu.com.br

________

2º LUGAR

Arte

Se a cor é um ponto de vista,
A linha um ponto de partida,
E a forma um ponto de chegada,
A arte é um porto sem cais.

Nina Graeff de Porto Alegre/RS


Currículo: Nina Graeff cursa doutorado em Antropologia da Música em Berlim, Alemanha. Sua fluência em cinco idiomas (português, inglês, alemão, espanhol e francês) se reflete tanto na composição de poemas multilíngues quanto no gosto por jogos sonoros e polissêmicos das palavras, que muitas vezes encontram caminho em composições musicais da também cantora e pianista.



_____________

3º LUGAR

Flor e amor

Que vale a flor, se não fosse o olhar!
Que vale o amor, se não fosse o enamorar!
Triste seria, se não existisse a flor;
Mas não a queria , se não existisse o amor!

Alda Lima de Itabuna/Bahia

Alda Lima é Licenciada em Letras: Faculdades Integradas de Cruzeiro - São Paulo, professora de Língua Portuguesa e Redação aposentada SEC Bahia.
Tenho poemas escritos , mas não divulgados. 



________________

MENÇÃO HONROSA
Escritarte
Nenhum poeta quer esconder
o que tenta fechar dentro das palavras
– ainda assim, recolhe-se pelas metáforas.
Nenhum poeta se quer esconder
por entre a sua caligrafia de liberdade.

Fernando Chagas Duarte​ de Almada/Portugal


Geógrafo de formação, tem publicado poesia com alguma regularidade sob diferentes suportes, analógicos e digitais. Fotógrafo amador, tenta conciliar a escrita com a imagem, em cruzamentos poéticos de imagem e palavra.
Publicou o livro "quase 100 poemas de amor e outros fragmentos" (Chiado editora, 2014).
​Está representado em cerca de uma dezena de Antologias e Colectâneas de Poesia.​
É autor de vários trabalhos de investigação e de recensão e crítica, na área da geografia, história local e regional e de patrimônio imaterial e associativismo.

__________________

MENÇÃO HONROSA

A BALADA DO POETA


As pálpebras talvez estivessem fechadas
A realidade e os sonhos, inextrincáveis
Seus manuscritos eram imperfeitos, porém impermeáveis
Havia algo de onírico e verídico, real e fantasia
Era assim toda vez que escrevera  poesia.

Ian Martin Vargas de Foz de Iguaçu/PR

Ian Martin Vargas é escritor de poesias e contos desde a tenra infância. 
Vencedor do Prêmio Cataratas - Foz do Iguaçu- Fundação Cultural, categoria Contos.
Participa de diversos concursos literários pelo Brasil. Aspirante a contista e poeta.

________________________

MENÇÃO HONROSA


Minimalista

Nasci artista, desaprendi com o tempo, aprendi com a vida
Nasci pobre, desaprendi com o tempo, aprendi sem dinheiro
Suspeitei do fracasso.
Fiz uma mínima lista do que valia a pena:
- A arte do artista.

Geisla do Nascimento Fernandes de São Paulo/SP

Geisla Fernandes é Paulista, formada em Direção Cinematográfica. Começou a experimentar o cinema independente em 2007, tendo até hoje exercido colaboração de roteiro e/ou direção em mais de vinte produções, entre elas, curtas-metragens, documentários, dois roteiros para longas-metragens, direção de um longa metragem, clipes musicais e roteiros para séries de TV.


_______________________


MENÇÃO HONROSA 

Quem é aquela?
a arte é a parte
que falta no corpo
é o sopro, é o milagre, é o brilho
é o gatilho da vida
é jogar conversa fora, com o infinito



Thaís Barbosa Ribeiro de Uberlândia/ MG



Thaís Barbosa Ribeiro é aluna do curso de Psicologia da Universidade Federal de Uberlândia, escreve desde que se entende por gente, já os seus escritos selecionados em alguns concursos literários, entre eles : "3° Prêmio TOC 140", "Educação, cultura e recreação: unindo a sociedade - Fundação Municipal de Cultura de Paracatu-MG, Biblioteca Municipal René Lepesquer", "Eu, minha cidade e os 300 anos do ciclo do ouro em Minas Gerais - Assembleia Legislativa de Minas Gerais". Publicou dois livros de poema na plataforma virtual "Wattpad", que podem ser acessados pelo link: https://www.wattpad.com/myworks. Escreve em seu blog pessoal "Coisas nonsense" - coisasnonsense.blogspot.com


_______________________


MENÇÃO HONROSA

Bailarina

Minha linda bailarina
Tão leve qual beija-flor
Que pela luz matutina
Dança a leveza menina
Canta a pureza do amor.

Decio José Romano e Silva de Curitiba/PR


Decio Romano é poeta, contista e dramaturgo paranaense radicado em Curitiba desde 1971. Estudou Contabilidade, Jornalismo e especialização em segurança pública, área em que atua como servidor público. Publicou cinco livros: Os Bosques Encantados de Vrindávana, A Lenda de Bédalo, Rua das Flores, Sayonara (contos) e Poema Voluntário.


___________________


MENÇÃO ESPECIAL

Para além do peito - Pintassilgo Pereira

Que a poesia 
que há em nós
seja mais que lamento
seja instrumento 
de alguma voz

Nathan Zanzoni Itaborahy de Barbacena/MG. 

Graduado em Geografia pela Universidade Federal de Juiz de Fora e mestre em Geografia pela Universidade Federal de Minas Gerais. Tem se envolvido com a arte desde menino, quando aos nove ganhou sua primeira bateria. É compositor, músico e escritor. Em setembro de 2015 lançará seu primeiro livro de poesias "Devaneios Necessários", pela Funalfa Edições (viabilizado pela Lei de Incentivo à Cultura Murilo Mendes).

_____________________

MENÇÃO ESPECIAL

Menestrel

Não vê perfeição o menestrel em sua Arte, não alinhava o tempo,
Cose momentos de Fleuma e bacamartes;
Seu baluarte é conjunto manifesto aquém de sons,
Sua Iris pequena desnuda a nobreza dos entretons;
Ora torpeza, ora pureza, ora Armagedom!

Jeane Gislon de Menezes de Rio Grande/RS

Currículo literário Jeane Gislon de Menezes, nascida na cidade de Tubarão-SC em 21.12.66, com nacionalidade Italo-Brasileira, formação acadêmica Química Licenciatura, professora, Assessora de Projetos ONG MUPV/RG. Casada com J.Francisco Devilla. Reside na cidade de Rio Grande-RS. Bacharel em Serviço Social, Pós Graduando em Gestão de Pessoas; Pós graduando em Dependência Química. Membro do Recanto das letras, membro dos Poetas Del Mundo, Acadêmica Correspondente da ALPAS 21; Acadêmica Imortal Correspondente da ALUBRA.

_____________________



MENÇÃO ESPECIAL

Carta de alforria


A arte é arrancar do mundo um ser intransigente...
Tirá-lo da superfície e torná-lo sujeito de sua história.
É uma carta de alforria frente a um turbilhão.

Thaísa Bravo-valenzuela e Silva

Breve currículo: Apaixonada por literatura, línguas estrangeiras e artes, foi agraciada com o Prêmio Escritor Melchesedec de Literatura - Prêmio Literário da Cidade de Vitória de Santo Antão na categoria Contos. Sonha em publicar um livro de poesias e viajar pelo mundo em um balão.


Related Posts Plugin for WordPress, Blogger...